Nova rota para a realização da vida e destino do homem

0
295

CARLOS BERNARDO GONZÁLEZ PECOTCHE
Desde tempos remotos, vimos escutando a voz de milhões de consciências clamar pelo esclarecimento de suas dúvidas. Esquadrinhando com aguda penetração os vaivéns e alternativas do movimento histórico através das épocas, de um lado encontramos as aspirações humanas num constante anseio de respostas e, de outro, o esforço às vezes desmedido dos filósofos e pensadores por satisfazê-las. A era atual, caracterizada desde os seus primórdios pelas chamadas lutas do espírito, que chegaram aos extremos do encarniçamento e depois derivaram para uma pugna de idealismos, teorias e crenças, ainda não nos ofereceu nada de concreto a respeito do grande enigma da vida.
A Logosofia, como ciência da sabedoria, proclama o achado das chaves que o decifram. Traçou sua rota e dela não se afastou um ápice ao longo de todo esse tempo intensa e fecundamente vivido. Ninguém pôde dizer que conhecia essa rota, ainda que admitamos que se tenha tido dela uma vaga ideia. A verdade é que só agora, e graças ao método logosófico, constitui ela uma completa realidade.

Ao fixar sua posição diante das grandes questões que no curso dos séculos foram apresentadas à inteligência humana – Deus, o Universo, as leis universais, os processos da Criação, o homem e seu destino –, a Logosofia já deixou expressa sua palavra, concretizada em verdades de absoluta comprovação.

A Logosofia abre as portas do pequeno, porém vasto mundo interno, guiando o entendimento do homem para que descubra as riquezas nele acumuladas

Sonho de séculos, hoje convertido em realidade por virtude destes conhecimentos que colocam a mente humana em frente de si mesma, para que o ser se estude e se compreenda;para que saiba qual é a causa do drama que afligiu sua vida e para que se inteire de como nascem, de onde vêm, como vivem, se movem, reagem e morrem os pensamentos que a mente abriga.

Devido ao abandono em que viveu durante séculos em relação aos conhecimentos que haveriam de auxiliá-lo, o homem é um indefeso mental, cuja precária lucidez intelectual lhe impede discernir e descobrir o mal justamente ali onde se apresenta revestido de todas as aparências de bem. Aquilo em que menos se pensa é que não se pode descobrir, em instantes, o que deve ser fruto do esforço e da vontade individual.

Quando se contempla o espetáculo da ignorância humana através dos tempos, pode-se admitir que o homem, no tocante à sua vida mental, tem padecido um rude nomadismo, um constante vagar de uma ideia a outra, caindo com frequência aprisionado na teia dos pensamentos de grupos ou ideologias predominantes em cada época. Essa observação não se aplica àqueles que souberam manter-se livres em meio às opressões e tiranias mentais que, às vezes, obscurecem até os espíritos melhor prevenidos.
Extraído do Livro Mecanismo da Vida Consciente, pág. 31

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here