TIPOS DE JARDINS VERTICAIS

0
254
“Existem infinitas possibilidades, formatos e espécies de plantas e modelos quando falamos de jardins verticais, e até parece impossível definir qual será o mais indicado para o seu espaço”. A Larissa Mazzonetto, da Aya Arquitetura, fez um post super legal, dividido em quadro tópicos: Jardins Naturais, Jardins de Musgo, Jardins Preservados e Jardins Artificiais. Com essas categorias vai ficar mais fácil indicar qual modelo é melhor para cada situação, assim como as vantagens e desvantagem de cada um.

NATURAIS

Trata-se de uma estrutura desenvolvida para sustentar e manter vivas vegetações em planos verticais. São leves e podem ser altamente tecnológicas, onde a rega e a fertilização são totalmente automatizadas. A forma mais comum de instalar estes jardins é através de uma manta (hidroponia), sem terra em sua composição, mas dependendo do local pode ser instalado com blocos cimentícios (próprios para o plantio), blocos cerâmicos, estrutura modular de plástico ou vasos e cachepots.
Se você deseja um jardim vertical natural, você deve observar seu espaço e levar em consideração estes seis pontos: local, iluminação, ponto de água e esgoto, ventilação, tipo de planta e manutenção.

VANTAGENS:

Oferece conforto térmico, filtragem da poluição do ar, além de criar uma barreira acústica em todo o seu entorno;
É estéticamente muito bonito;
Inúmeras opções de estilo, composições e vegetações;
Pode ser usado como forma de compensação ambiental;

DESVANTAGENS:

Devem ser instalados – idealmente – em áreas externas ou em áreas cobertas com incidência do sol e ventilação adequada;
Baixa resistência ao ar condicionado;
Exigem manutenção periódica;
Suscetíveis a pragas, e bichinhos (mas nada que a manutenção não resolva);

PRESERVADOS

Os jardins verticais preservados são criados com plantas naturais que passam por um processo químico de conservação que mantém folhagem, textura e integridade das plantas naturais sem precisar de manutenção diária. São práticos, pois dispensam irrigação e iluminação solar. São os queridinhos das pessoas que amam o toque da natureza, mas gostam (ou precisam) de um dia-a-dia bem prático.

VANTAGENS:

Podem ser feitos sob medida para seu ambiente;
Aparência e toque de folhagens naturais;
Não precisam de manutenção diária (nem de rega, poda e luz natural);
Possuem ótimo custo x benefício;
A montagem é feita de forma limpa e rápida em seu ambiente;
É resistente ao ar condicionado;

DESVANTAGENS:

Não pode ser instalado em áreas externas (não pode molhar);
Eventualmente irão precisar de uma manutenção (alguns galhinhos podem quebrar com o tempo ou com o uso do espaço – o indicado é fazer uma manutenção a cada ano);
A variedade de folhagens existente é limitada;

ARTIFICIAIS

Este era o menos querido da lista quando se falava em paisagismo, mas ultimamente está ganhando espaço no mercado por conta das tecnologias que vem nos permitindo desenvolver produtos muito similares aos naturais. A seda fina e o poliéster são materiais que trouxeram qualidade e reprodução realista no que diz respeito a cores, brilho, textura e movimento das plantas. Em alguns casos é até difícil distinguir entre uma planta natural e artificial sem tocar. As plantas artificiais podem ser produzidas em qualquer tamanho e contam com uma ampla gama de espécies. Não pede manutenção ou sistema de irrigação, o que torna sua aplicação prática e econômica, sobretudo para ambientes corporativos ou comerciais.

VANTAGENS:

Zero de manutenção;
Não exige ponto de água, luz natural ou qualquer outro pré requisito para sua instalação;
Pode ser instalado em ambientes internos e externos;
Pode ser desenvolvido sob medida e possui grande variedade de “espécies”;

DESVANTAGENS:

Não conferem conforto térmico ao espaço;
Ainda perdem um pouco em estética quando comparadas com um natural ou preservado;

DE MUSGOS

O musgo (moss) é uma planta preservada de formato redondo e tamanhos diversos. Desenvolvido de forma artesanal, é indicado para dar um toque de sofisticação e bom gosto a ambientes internos. São 16 variações de cores e as mais utilizadas são verde, laranja, marrom, amarelo e azul. Também dispensa manutenção periódica (uma vez colhidos pelos produtores na floresta, os musgos passam pelo processo de preservação, mantendo suas características originais sem necessitar de cuidados extras). Esse tipo de jardim vertical é novo no Brasil, mas vem conquistando os corações dos amantes da natureza mais moderninhos.

VANTAGENS:

Mesmo sendo preservado oferece conforto térmico, filtragem da poluição do ar e conforto acústico;
Zero de manutenção;
Não requer ponto de água e esgoto para sua instalação;
Possui bastante tolerância ao ar condicionado;
É muito leve;
Possibilidade de desenhos;

DESVANTAGENS:

Deve evitar o sol;
Não pode ser aplicado em ambientes externos;
Fonte: Aya Arquitetura.

Saiba mais sobre o meu trabalho acessando minhas redes sociais:
https://www.instagram.com/pennaarq/
http://facebook.com/pennaarq
https://www.youtube.com/PennaArquiteturaeUrbanismo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here