VAMOS FALAR SOBRE O FEMINISMO?

0
253
VAMOS FALAR SOBRE O FEMINISMO?

Carolina Ortiz

Muitas pessoas distorcem o significado deste conceito: “é mimimi”, “mulheres deixaram de ser femininas e perderam lugar na sociedade (como uma dama, eu digo)”, “feminista é uma mulher-macho que não tem higiene, não se cuida, é feia e fedida”. Juro que ouvi cada uma dessas afirmações, mas o que mais incomoda é ver mulheres (de bem, é claro!) defenderem essa postura selvagem, ignorante e misógina: “meninas vestem rosa, meninos vestem azul!”

Desconstruindo conceitos, explico pacientemente para todos os machões de plantão: vocês sabem o que é Feminismo?

Feminismo vem sendo um movimento que ocorre em fases, e estas fases se articulam. Ele possui etapas, as quais chamarei de “ondas”. Esse movimento é político, social, humanitário, intelectual e facilitador para a igualdade entre as pessoas.

A primeira onda, em meados de 1800, foi completamente diferente do que acontece hoje. As propostas de lutas eram outras, a amplitude do movimento era muito inferior e as discussões em pauta eram o que hoje chamaríamos de estereotipadas “lutar para a mulher não pertencer ao marido”. Historicamente, no século XIX, as pessoas pretas não eram consideradas pessoas e, mesmo assim, com um Feminismo Branqueado e etilizado, a escrava Sojoumer Truth, hoje reconhecida como ativista dos direitos da mulher e abolicionista, chamou a atenção da sociedade para problemas como a escravidão, a desumanização e a necessidade de ter uma voz e um espaço: “homem diz que mulher precisa ser ajudada a entrar em carruagem, ser elevada aos céus…Eu não! Eu não sou mulher? Eu arei, plantei e recolhi alimentos e nenhum homem me ajudou. Eu vi meus filhos serem vendidos e não pude reclamar. Chorei sozinha. E eu? Eu não sou mulher?”

A segunda onda ocorreu num contexto histórico bélico. O mundo precisava de mão de obra barata e a sociedade, em guerra, precisava sustentar o lar. Mulheres brancas de classe média/alta saíram às ruas a fim de acabar com a opressão feminina: mulher mais pobre precisava de emprego (e não era opção, como muitos propagam). O mundo em guerra requer custo de vida mais caro. A mulher lutava para que pudesse trabalhar em condições salariais idênticas ao homem (lutamos por isso até hoje), à igualdade dentro de casa (dividir afazeres) e assim, juntos, homens e mulheres pudessem criar os filhos dignamente. Foi aqui que mulheres negras levantaram suas vozes e uniram forças: elas conseguiram mostrar que, embora as demandas das mulheres brancas fossem necessárias, ainda não eram suficientes para suprir as necessidades de todas as mulheres.

A terceira onda, a qual vivemos até hoje, traz novas questões para serem definidas: diversidade e pluralidade de pensamentos e posicionamentos, procura de uma identidade estável e coerente, questões sobre a separação de gênero e sexo, a própria subjetividade, empoderamento e muitas, mas muitas, outras questões.

A luta está longe de acabar. É um movimento mundial, intelectual, político, social, naturalmente organizado e histórico. Não há possibilidades de freá-lo. Percebe-se (eu espero) que é muito mais do que associar feminista à queimadoras de sutiã em praça pública, ou mulheres que não depilam as pernas ou (e esta é a pior) meninas que querem se igualar aos homens. Não queremos nos igualar a nada, queremos um espaço nosso, para podermos ser quem nós quisermos ser. Também queremos reconhecimento intelectual e salários dignos porque, mais uma vez, não queremos ser iguais aos nossos pais, irmãos ou maridos, mas sim porque somos capazes de produzir e construir para a sociedade.

Meus caros e, infelizmente, algumas caras, Feminismo não é essa ideia simplista e dicotômica de oposto de machismo. Ser feminista exige estudo, compreensão do mundo, da luta histórica de cada ser humano, exige uma visão panorâmica e aprofundada da natureza humana, exige um posicionamento crítico, muita leitura e sensibilidade para levantar questões incômodas, exige atitude para desconstruir crenças e para juntas buscar uma solução tendo como base a igualdade, a potencialidade humana e a justiça. Nosso lema é lutar para termos voz e, com isso, melhorar a sociedade global.

Sou feminista com orgulho!

 

Referências

PINHEIROS, R.; MIZAEL, T. (2019). Debates sobre feminismo e Análise do Comportamento (1ª.ed). Fortaleza: Imagine Publicações.

SAFFIOTI, H.B. (2004). Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

BRAH, A. & PHOENIX, A. (2004). Ain´t I a woman? Revisiting Intersectionality. Journal of International Woman´s Studies.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here