SUICÍDIO E DEPRESSÃO NA ADOLESCÊNCIA

0
267
Fonte da foto: https://www.vittude.com/blog/depressao-na-adolescencia/amp/

O que leva um adolescente a aceitar desafios que colocam sua vida em risco?

 O Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015. Dados indicam que são registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de 01 milhão no mundo. De fato esse assunto é pouco noticiado. Mas acontece e com muita frequência, e ocorre em todas as idades. E na adolescência os índices são preocupantes. É preciso estar atentos com o que ocorre com nosso jovens dentro de casa. Sendo que 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Sendo a depressão um dos principais fatores.

 

O tempo passa e sempre temos um jogo ou desafio que assusta os pais. Tivemos a pouco tempo a Baleia Azul, a brincadeira do Enforcamento  e desafio da  Rasteira. Jogos em que as regras vão aumentando o perigo a cada etapa, a fim de desafiar o participante a tirar a própria vida. Brincadeiras de mau gosto, perigosas e que colocam a saúde e vida dos adolescentes em risco. Mas o que faz com que os adolescentes se arrisquem a procurar este tipo duvidoso de diversão é o que vem intrigando algumas pessoas.

Fonte foto: http://www.hsvpmafra.org.br/noticias/o-que-e-o-setembro-amarelo

Participar de jogos e desafios online, que podem resultar em morte é algo que pode parecer inacreditável mas acontece. Depois de alguns casos noticiados, o tema começou a ser mais abordado tanto em casa como em sala de aula. E trouxe a tona outro assunto pouco falado, o suicídio na adolescência. De acordo com a ONG Centro de Valorização da Vida, o suicídio é a 2ª maior causa de morte entre os brasileiros de 15 a 29 anos. Um tema cercado de tabus e pouco falado.  Outro fato que se tem pouco estudo e atenção é a depressão na juventude e infância. Adolescentes sofrem com depressão com muita frequência. E isto leva com que eles se coloquem em situações de  risco, uso de substância ilícitas, desafios online  e situações perigosas que podem levar  ao suicídio. Uma trágica consequência que poderia ser evitada se a depressão fosse tratada  de maneira adequada.

 

O suicídio é um tema considerado tabu e por muito tempo proibido de certa forma de ser abordado. Mas isto não evitou que os números crescentes de caso continuassem ocorrendo. Falar sobre o tema não incentiva que ele ocorra, pelo contrário, quando a um debate aberto existe uma desmistificação. Uma identificação de que isto ocorre com certa frequência. Refletir sobre o porquê que adolescentes acabam pensando em tomar esta decisão extrema é necessário. Conversar sobre os problemas e saber que existem profissionais especializados que podem ajudar é um caminho para que fatos trágicos como estes possam ser evitados.

Sinais de alerta

A depressão na adolescência ocorre com frequência. E ao se instalar não desaparece ao fim desta etapa da vida. Ela pode ser desencadeada por diversas situações, como por exemplo, uso de drogas e álcool, histórico familiar de depressão, inseguranças e  distúrbios hormonais.

Os pais devem estar atentos que não é apenas uma fase ou uma característica da adolescência. Na juventude é que ocorre a formação da personalidade e a família precisa oferecer um suporte adequado, dando conforto e equilíbrio emocional. Sendo fundamental ensinar os filhos desde pequenos, a saber como lidar com as suas emoções. Como perdas e frustrações.

Alguns sintomas da depressão podem ser identificados:

Tristeza;
Cansaço constante;
Problemas de memória e concentração;
Alterações de humor;
Insônia;
Choro frequente;
Falta prazer nas atividades diárias;
Diminuição do apetite;
Alteração de peso;

Caso seu filho tenha algum destes sintomas, tente conversar e estar aberto a ouvir suas angústias e necessidades. Mas procure a ajuda de um especialista que saberá orientar tanto a família como o adolescente. E dará um suporte mais adequado.

Geana Krause
krausegeana@gmail.com
Contato: 51 985907730

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here