Um dia de chuva, por Woody Allen

0
773

Todos nós temos uma imagem própria de Nova Iorque, ou vai me dizer que ainda não conhece a Grande Maçã com a palma da sua mão de quando maratonou Friends ou Seinfield por horas a fio naquele sábado à tarde?!

Minha Nova Iorque é a metrópole repleta de arranha-céus, onde ocupados homens de terno e sobretudo perdem seus tostões na bolsa de Wall Street. É a megalópole que abriga o Carmine’s, um dos requintados ristorantes italianos no centro de Manhattan, escolhido por casais apaixonados para suspirarem de amor em plena luz do luar. Ou quando o letreiro iluminado da faixada da Broadway, nos indica seu mais novo sucesso comercial.

Se conseguiu visualizar todas estas imagens como luminosos anúncios publicitários, então camarada, você está lascado, é bobo como eu.

Um dia de chuva só torna mais poética, e porque não dizer clichê, a imagem mental que criamos da cidade. E Woody Allen se aproveitou disso, construindo sua nova comédia romântica, tornando possível todas as nossas fantasias, com suas já conhecidas idas e vindas no percurso de seu enredo. Este senhor demostrou tudo o que a poesia pode fazer dentro de uma mente, que ainda cultiva um ingênuo romantismo, sob uma cidade que de romântica, não deve ter é nada, por conta de uma piração regida pelo mundo dos negócios.

O clima do filme se volta ao de um dia de chuva, esperando a água cair, aproveitando cada um de seus momentos, para sensibilizar os olhos do espectador com o melhor do cinema: as imagens que dizem mais do que palavras.

Suas tomadas de chuva nova-iorquina, fazem os amantes por poesia contemplativa como eu babarem, delirarem em suspiros, se imaginando naquela situação. Para minha felicidade, do meio do filme para frente, o glorioso São Pedro fez garoar o clima rio-pardense, me deixando em estado de profundo êxtase diante a precipitação.

Quando Mario Quintana poetou ao escrever: ‘Sempre que chove/tudo faz tanto tempo/que qualquer poema que escreva/ vem sempre datado de 1889’’, com certeza não imaginava o presente que Woody Allen prepararia para os líricos jovens de 2019.
Se for assistir ao filme, saiba que, seus dias de garoa, jamais serão os mesmos.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here