Continuação – A resposta para a doença emocional: AMOR

0
267

O milagre que se opera é que qualquer pessoa pode adquirir a capacidade de amar, não importa quais tenham sido as circunstâncias do passado. E existe um meio de consegui-la.
Embora a psiquiatria e a psicologia tenham declarado que há um tipo de pessoa – a psicopata – que não consegue aprender a amar e que não existe nenhum meio de ensiná-la, nós não concordamos com isso, pois temos presenciado casos reais de pessoas assim diagnosticadas que aprenderam a amar.

Voltamos, portanto, a afirmar: qualquer pessoa pode aprender a amar, recuperar-se e ser feliz. Milagre também é o seguinte: quando uma pessoa emocionalmente doente adquire a capacidade de amar, todas as dificuldades emocionais desaparecem com o exercício dessa capacidade.

Outro milagre ainda, relacionado com este, é que não há necessidade de ela saber como ficou doente, como também não há necessidade de saber por que deixou de aprender a amar. Basta reconhecer essa falha e fazer o que for preciso para corrigi-la. Não é necessário nenhum longo histórico de sua vida, nenhum longo processo de revivescimento das experiências da infância em busca de alguma explicação para a doença.

Como já afirmamos anteriormente, existe um meio de se adquirir a capacidade de amar, recuperar-se e ser feliz. Inúmeras pessoas têm dado provas disso ao longo dos anos. É um processo, contudo, que requer esforço por parte da pessoa, que provavelmente ela nunca tenha feito antes: um esforço de fé.

Antes de falarmos sobre a fé, como a entendemos, permita-nos dizer o seguinte: é provável que a pessoa doente, depois de ter depositar durante muito tempo fé em inúmeras instituições criadas pelo homem, tenha se desiludido com elas. Pode ter depositado fé na psiquiatria, na medicina, na religião, sem conseguir ser feliz.

Muitas pessoas devem mesmo ter depositado fé na hipnose, na leitura de livros eruditos, na astrologia, na quiromancia, em toda sorte de “sistemas”. O que agora sugerimos, entretanto, é que se tenha uma nova experiência de fé, a verdadeira experiência de fé, a que realmente vai dar certo, uma vez que se trata de ter fé em um Poder Superior ou Deus, segundo a concepção de cada um.

Cremos que qualquer pessoa é capaz de aceitar um Poder Superior assim definido: “Deus segundo a concepção de cada um”. Essa fé tem dado resultado e proporcionado a aquisição da capacidade de amar um número muito grande de pessoas. E pode, certamente, fazer o mesmo com o que quer que seja. Não importa a concepção que se possa ter desse Poder Superior.

Muita gente tem aprendido a amar definindo esse Poder como sendo o Amor, o amor entre os seres humanos. E a expressão “Deus é amor” até já se tornou bastante comum. Pode-se também conceber esse Poder Superior como sendo o processo evolutivo em sua marcha progressiva ou a ordem reinante no universo, nem que entendida como a manifestação da força da gravidade ou do movimento dos átomos e moléculas.

Pode-se, ainda, concebê-lo como sendo o bem que existe no mundo. Enfim, pode-se concebê-lo como sendo qualquer coisa, desde que realmente seja Superior ao ser humano.
24 hs de Paz e Serenidade.

Endereço das reuniões: Salão da Igreja Matriz, às 2ªs feiras, às 19h30min, terapia e 4ª s feiras, 20h, reunião de estudo. Também temos reuniões online.
Mais informações: www.neuroticosanonimos.org.br.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here