Matéria do Facebook da Câmara Municipal de São José do Rio Pardo

Na manhã desta quinta-feira (13/12), a equipe Super Genius, liderada pelo técnico Alexandre de Almeida, compareceu à Câmara Municipal para apresentação do projeto que competirá, entre os dias 14 e 15 de dezembro em Jundiaí-SP, no Torneio de Robótica First Lego League (FLL).

O referido torneio é um programa internacional de exploração científica, projetado para fazer com que crianças e jovens de 9 a 16 anos se entusiasmem com ciência e tecnologia e adquiram habilidades valiosas de trabalho e de vida. O objetivo é que estudantes sejam apresentados ao mundo da ciência e da tecnologia de forma divertida, por meio da construção e programação de robôs feitos inteiramente com peças da tecnologia LEGO.

Estiveram presentes o Presidente desta Casa Matheus de Oliveira Pinto (PV), os Vereadores Sidnei Marin Morgan (PR), Zildo de Oliveira Delmondes (PSB) e Prof. Rafael Castro Kocian (REDE), o Procurador Jurídico Nelson Crispim Silveira Nesio, o Diretor Administrativo e Legislativo Marco Antonio Gumieri Valério, imprensa local e demais munícipes. Os jovens pesquisadores explicaram e demonstraram o funcionamento do projeto de pesquisa, comentaram a respeito das dificuldades encontradas e superadas, além das atribuições e responsabilidades de cada integrante para a construção do robô.

Para o desafio da temporada 2018/2019: Into Orbit, a equipe de São José do Rio Pardo implementou o projeto de uma bota magnética, simulando um ambiente com gravidade. Foi construído o protótipo de uma bota equipada com uma mini turbina e um eletroímã, de maneira que quando o pé direito do astronauta se levantar, o eletroímã que está no pé esquerdo, é atraído para o chão e vice-versa com o pé esquerdo. Caso o astronauta se distancie muito do chão, a mini turbina se encarrega de leva-lo de volta. Assim, o astronauta não estaria flutuando por muito tempo e vai se sentir melhor ao caminhar. De acordo com os profissionais consultados, isso melhoraria tanto o psicológico quanto o físico. Seria necessário fazer uma passarela dentro da nave, com uma fina camada de ferro.

Sem dúvida um dos maiores problemas que os astronautas encontram no espaço é a falta de gravidade. Apesar de parecer algo legal e divertido, a ausência da gravidade gera efeitos negativos no corpo humano, pois a gravidade exige um certo esforço do nosso corpo para que possamos nos mover, sem contar também o desconforto gerado ao ficar em um lugar onde não se tem um ponto de referência físico, ou a capacidade de se sustentar num ambiente em que você não sente o peso do seu corpo, ou seja, com gravidade nula. O projeto cria uma sensação de gravidade, uma vez que, de acordo com a leitura do sensor ultrassônico, é regulada a intensidade do eletroímã, que sobre uma superfície ferromagnética, possibilita que o astronauta se sinta andando como se estivesse na terra, só que no espaço. Tudo isso combinado com um óculos de realidade virtual, faria com que o astronauta se sentisse na terra ou em qualquer lugar que ele quisesse, uma vez que a programação desse projeto pode ser facilmente alterada. Para que o projeto funcione, deverá estar em um ambiente onde haja ar.

Os membros da equipe que, orientados pelo técnico Alexandre de Almeida, representarão nossa cidade no torneio em Jundiaí/SP são: João Gabriel Valeriano Oliveira (14 anos), Ana Beatriz de Carvalho Baptista (12 anos), Lucas Brusamolino Baio Viana (15 anos), Luisa Isoldi Pizani (11 anos), Felipe Bazana Cardoso de Sousa (16 anos), Shara Victoria Roque Felício (14 anos), Maria Gabriela da Silva Almeida (13 anos), Yasmin da Silva Almeida (15 anos), Caio Henrique Pavan Ribeiro (14 anos), Yuji Yong Ohuvada (13 anos) e José Urbano Junqueira de Andrade Neto (13 anos).

Ideias propostas em torneios como esse são um grande incentivo para os alunos que, além de estudarem as matérias comuns na grade curricular de suas respectivas escolas, passam a ter contato com disciplinas que complementam suas formações, tais como programação, física, cálculo e eletrônica.

Vale ressaltar, entretanto, que apesar de existir o espírito de competição, o ambiente de cooperação entre as equipes prevalece (através do compartilhamento de conhecimento) pois, na verdade, o problema a ser resolvido é o verdadeiro adversário.

Boa sorte aos nossos jovens cientistas!

Toda a garra e a dedicação da Equipe Super Genius para o torneio FLL que acontecerá nos dias 14 e 15 de dezembro em Jundiaí-SP.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here