CARNAVAL e ARQUITETURA| Penna Arquitetura e Urbanismo

0
338

Salve galera, tudo bom com vocês? Fevereiro, chegou! O mês da folia, o mês em que o Brasil inteiro para e vive dias intensos de pura energia. Vocês devem estar se perguntando: O que tem a ver o Carnaval com Arquitetura e Urbanismo? Na realidade, muita coisa. Tudo começa pela questão da criatividade, seja na criação de fantasias, comunicação visual, alegorias, acessórios, roupas, músicas, entre outros. As cidades se preparam para receber pessoas e turistas vindos de todos os cantos. Além disso, a Arquitetura está diretamente presente no Carnaval através da Arquitetura Cenográfica. Elementos como cores, acabamentos, materiais, luzes e efeitos especiais estão presentes na cenografia das escolas de samba, por exemplo, e para que estes elementos sejam escolhidos de maneira favorável, alguém criou e pensou na maneira que aquele espaço seria construído.

E como falar de Carnaval e não falar do Senhor Oscar Niemeyer? Ele é o principal responsável por dois locais importantíssimos para o Carnaval brasileiro: o Polo Cultural e Esportivo Grande Otelo e a Passarela Professor Darcy Ribeiro, ou mais popularmente: o Sambódromo do Anhembi e a Marquês de Sapucaí.

O SAMBÓDROMO DO ANHEMBI está localizado no distrito de Santana, na Zona Norte da cidade de São Paulo, sendo considerado um dos maiores complexos para eventos ao ar livre da América Latina, além de ser o maior de São Paulo. Nele, são realizados, todos os anos, os desfiles dos principais grupos das escolas de samba do Carnaval de São Paulo. Projetado por Oscar Niemeyer, foi construído e inaugurado em 1991, durante a gestão municipal de Luiza Erundina, mas foi somente concluído em 1996, e reinaugurado no mesmo ano, na gestão do prefeito Paulo Maluf, com a capacidade atual de 30 mil pessoas. Possui 530 metros de comprimento, e tem um diferencial: seu piso é de concreto estrutural com proteção especial antialagamento. Além de abrigar o desfile das escolas de samba paulistanas, o Sambódromo já foi palco de outros acontecimentos, como: programas televisivos, Fórmula Indy, competições de skate, desfiles oficiais do dia 7 de setembro, feira livre de carros, entre outros.

Já a MARQUÊS DE SAPUCAÍ é popularmente conhecida por este nome devido a sua localização na Avenida Marques de Sapucaí, no centro da cidade do Rio de Janeiro. Inaugurada no ano de 1984, com o nome oficial de “Avenida dos Desfiles”, o local é o palco do festival popular mais famoso do Brasil, o Desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro, o qual é realizado anualmente durante o feriado de Carnaval. Posteriormente, seu nome oficial mudou para “Passarela do Samba” e, finalmente, a partir de 1987, seu nome oficial passou a ser “Passarela Professor Darcy Ribeiro”. Esta foi uma homenagem ao principal mentor da obra, o antropólogo Darcy Ribeiro, que naquela época era vice do governador Leonel Brizola, e tinha como objetivo investir em projetos culturais e educacionais. Essa denominação oficial se conserva até hoje, porém, a obra é mais conhecida como “sambódromo”, termo utilizado pelo próprio Darcy Ribeiro. O conjunto arquitetônico também foi desenhado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e construído em tempo recorde de apenas 4 meses. Ele tem como base estrutural o aço e o concreto, mas um diferencial é que as peças são pré-moldadas e não moldadas in loco. É composta por:

– salas de aula projetadas embaixo das arquibancadas, incentivando a educação;

– uma passarela que percorre toda a Avenida possuindo cerca de 700 metros de comprimento e 13 metros de largura, com capacidade, antes da reforma, para 60 mil pessoas;

– e um grande largo denominado Praça da Apoteose, que também foi projetada por Niemeyer, o qual queria um local mais amplo para que os sambistas e carros alegóricos se concentrassem (o grande arco localizado no local, seria uma forma simbólica para celebrar a famosa sensualidade das mulatas cariocas);

Em 2011, vinte e sete anos após a construção, o conjunto arquitetônico passou por uma reforma para receber os Jogos Olímpicos de 2016. Os camarotes do antigo Setor 2 foram derrubados para dar lugar a novas arquibancadas, seguindo o projeto original de Oscar Niemeyer. Com a reforma, a passarela passou a ser quase totalmente simétrica, com exceção da sua primeira arquibancada. Na época de sua construção, o projeto de Niemeyer teve de ser modificado devido à existência de uma unidade industrial da Cervejaria Brahma no local. A nova passarela, após as reformas, teve sua capacidade aumentada para 72.500 pessoas e a inauguração aconteceu em 2012 com um circuito de corrida em que todos estavam fantasiados e teve a presença do grande Oscar Niemeyer.

Além de abrigar o desfile das Escolas de Samba, a passarela do samba já foi palco de outros acontecimentos, como shows de músicacultos evangélicos, exibições de motociclismo, ópera, Jogos Olímpicos de 2016, etc.

Como podemos ver não é apenas de samba que vivem os sambódromos. Estes espaços projetados por Oscar Niemeyer são marcos nas suas respectivas cidades e também no nosso país, pois, permitem uma grande diversidade de usos. Portanto, o que seria dos desfiles das Escolas de Samba sem o seu conjunto arquitetônico? O que seria do Carnaval sem a Arquitetura?

Desejo um ótimo Carnaval a todos, curtam a folia de uma forma consciente e respeitosa! Beijos e até a próxima.

Redes sociais:

https://www.facebook.com/pennaarqurb

https://www.instagram.com/pennaarqurb/

https://www.youtube.com/channel/UCW3IWblEyxfURqUAArW3Lag

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here