Pais e Filhos não são iguais

0
635

Aquelas pessoas que hoje têm em torno de 35 anos e os que possuem mais tiveram, sem dúvida alguma, uma educação centrada no respeito e na obediência aos seus pais. E este modelo de educação tinha nos pais o centro pela qual se movia a família. Bastava um olhar para entender o recado: quando tinha visitas, aparecer na sala somente para cumprimentar os visitantes.
E aí vieram os filhos dos filhos, que tiveram este tipo de educação e, alguns, se não a maioria, resolveu que agora tudo seria diferente. Não trataria os seus filhos da mesma forma que os seus pais o trataram.
Seriam mais democráticos, dariam maiores liberdades, enfim, seriam mais “amigos” dos seus filhos.
E para reforçar esta “nova forma” de educação, os psicólogos, psicanalistas, psicoterapeutas defenderam a teoria de que os filhos precisavam de maior liberdade para encontrar o melhor caminho, terem as suas próprias experiências, que a educação não fosse repressora e que, em casa, houvesse maior diálogo e a oportunidade do confronto de ideias.
Grande parte destes que defenderam
esta teoria, após uma reflexão do que aconteceu com a sociedade, viu que houve um erro de rota e que o barco estava afundando num mar em que os principaisvalores que o sustentavam, como respeito, verdade, dignidade, honra, amor e ética, deixaram de manter este barco na superfície.
Ao procurar diminuir as diferenças, pregou- se a necessidade de que pais e filhos precisavam ser amigos, esquecendo-se de que os filhos precisavam era de alguém muito mais do que amigo, precisavam de referência para as suas vidas.
Amigos os jovens têm na escola e na rua.
Enquanto que, em casa, eles precisam de referenciais, para que possam ter um norte a seguir quando estiverem na rua.
E é aí que a frase “Os pais precisam ser pais para que os filhos possam ser filhos”, possui uma importância fundamental no estudo deste princípio.
Tal afirmação não deseja pregar o autoritarismo no relacionamento entre pais e filhos – ao contrário, quer é que os pais exerçam a sua autoridade tendo sempre em mente que a harmonia deve estar centrada no que somos “Amor-Exigente”.
E quando os pais estão cientes do papel que devem exercer em seus lares, buscando a harmonia, o respeito, a confiança, os deveres, os limites e as obrigações de cada membro da família, estarão exercendo o seu papel com dignidade e contribuindo para que os seus filhos tenham estes mesmos valores quando tiverem a sua própria família.
Quando os papéis de pais e filhos são entendidos como complementares um ao outro – não como opostos -, as diferenças que existem complementam, acrescentam, para que cada um possa ter o seu lugar bem definido.
E, neste entendimento familiar mútuo, o fato de pais e filhos não serem iguais pode ser entendido como soma, partilha e não como confronto.
Enquanto pais, precisamos dar condições para o aprendizado dos nossos filhos com a mesma energia para deixá-los assumirem as responsabilidades dos atos que tomarem.
E o aprendizado que este princípio deixa para os pais é a busca diária da honestidade como fator preponderante como base nas relações no lar.
Como pais e não como super-homens não têm uma resposta para tudo, mas vamos buscá-la tendo valores espirituais como fonte para nutrir nossas relações com os nossos filhos, propiciando-lhes condições de crescimento para que ocupem seu lugar no mundo da melhor forma possível.
Tenha sempre em mente: Se você não for a referência ou um modelo para os seus filhos, os amigos da rua poderão ocupar este espaço. Querendo ser amigo, por vezes esquecemos de ser pais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here